Imagem lateral do Palácio Casa Rosada, sede da Prefeitura de Barras

De acordo com o Diário Oficial dos Municípios, o prefeito Carlos Alberto Lages Monte, da cidade de Barras, distante 120 Km ao norte de Teresina,  fechou contrato  com a empresa C G Gonçalves & Ltda-ME (Comercial Amazonas), sediada na Rua São José, em Barras, para fornecimento de fogos de artifícios no valor global de R$ 40.410,00 (quarenta mil, quatrocentos e dez Reais). O contrato tem validade até 31 de Dezembro de 2017.

O extrato do contrato foi publicado Diário Oficial dos Municípios no dia 23 de Outubro de 2017. A empresa tem como proprietários os comerciantes Carlos Guido Lopes Gonçalves e Carla Yohanna Moreira Gonçalves.

A principal atividade da empresa, segundo o CNPJ, é comércio varejista de mercadorias em geral, com predominância de produtos alimentícios – minimercados, mercearias e armazém. Não há registro como empresa vendedora de fogos de artifícios.

Os recursos para o pagamento serão FPM (Fundo de Participação dos Municípios), FUS (Fundo Único de Saúde) e FMAS (Fundo Municipal de Assistência Social).

Carlos Monte, prefeito de Barras
"O estranho é que o aviso de licitação do Pregão Presencial nº 073 foi publicado no Diário Oficial dos Municípios no dia 06 de Setembro de 2017, no entanto, não consta o cadastro do procedimento no Sistema de Licitações Web do Tribunal de Contas, o que contraria o artigo 39 da Resolução TCE/PI nº 227/2016, que diz que o preenchimento eletrônico das informações relativas à abertura de licitações deverá ocorrer até o dia útil imediatamente posterior ao da sua última publicação. Ou seja, frustrou o caráter competitivo do procedimento licitatório", questionou o jornalista Everardo Torres, autor da denúncia inicialmente publicada no portal de notícias Folha de Batalha.

Escrevendo sobre o assunto, o jornalista Everardo Torres, disse: "Em momento de crise econômica, principalmente na área da saúde e inúmeros outros problemas sociais no município, qual é a necessidade que se tem em queimar mais de 40 mil reais em fogos, com o dinheiro público, sabendo que Barras tem outras prioridades? Quem conhece a periferia de Barras, sabe que centenas de famílias vivem na chamada “pobreza extrema”, em muitos bairros a população sofre com falta d'água, iluminação pública e calçamento nas ruas", finalizou o jornalista.

A editoria do Tribuna de Barras procurou manter contato com a Prefeitura de Barras para uma explicação sobre a compra de fogos de artifício no Comercial Amazonas, mas não obteve êxito. A administração do prefeito Carlos Alberto Lages Monte não possui assessoria de comunicação, mas um funcionário da prefeitura que pediu para seu nome não ser revelado, disse a reportagem do Tribuna de Barras que os fogos seriam para as festas da Padroeira de Barras, Natal e Reveillon.





Reações:

Postar um comentário

 
Top