Professor Bernardo Augusto Rocha, da cidade de Esperantina-PI, fazendo estudo sobre as potencialidades do pó da carnaúba no município de Batalha-PI. Fotos: Bernardo Augusto Rocha


O Estado do Piauí é o principal produtor de pó de cera de carnaúba com uma produção de 12 569 toneladas, seguido pelo Ceará (5 509 toneladas), Maranhão (509 toneladas) e Rio Grande do Norte (49 toneladas), informou o IBGE (Instituto .Brasileiro de Geografia e Estatística) em sua pesquisa Produção da Extração Vegetal e da Silvicultura (PEVS) - 2011.
O maior município produtor é Campo Maior, no Piauí. No ranking dos 20 maiores municípios produtores, 12 são piauienses, sete cearenses e um maranhense. Juntos são responsáveis por 53% da produção nacional em 2011.
Os maiores produtores de pó de carnaúba do Brasil são Campo Maior (1.119 toneladas), Granja, no Ceará (879 toneladas); Piripiri (787 toneladas); Camocim, no Ceará (773 toneladas); Piracuruca (739 toneladas); Coreaú, no Ceará (643 toneladas); Picos (601 toneladas); Pedro II (426 toneladas); Parnaíba (416 toneladas); Araioses, no Maranhão (414 toneladas); Castelo do Piauí (380 toneladas); Luís Correia (343 toneladas); Santana do Acaraú, no Ceará (325 toneladas); Ilha Grande (314 toneladas); Moraújo, no Ceará (313 toneladas), Morrinhos, no Ceará (298 toneladas); Batalha (296 toneladas); Cariré, no Ceará (280 toneladas); São João da Serra (269 toneladas); e Oeiras (265 toneladas).






Em 2011, Ano Internacional da Floresta, a produção florestal brasileira somou R$ 18,1 bilhões: 72,6% de participação da silvicultura (estabelecimento, desenvolvimento e reprodução de florestas), num total de R$ 13,1 bilhões e 27,4% da extração vegetal (exploração dos recursos vegetais nativos), correspondentes a R$ 5,0 bilhões.
A pesquisa Produção da Extração Vegetal e da Silvicultura (PEVS) - 2011, investiga, em todos os municípios brasileiros, 38 produtos oriundos do extrativismo vegetal e 7 da silvicultura.
É crescente a participação da silvicultura na produção madeireira nacional. De um total de 139.969.520 m³ produzidos de madeira em tora, 89.9 % são oriundos das florestas plantadas e apenas 10,1% do extrativismo vegetal. Das 5 478 973 toneladas de carvão vegetal, 75,3% foram produzidos pela silvicultura e 24,7% pela extração vegetal. Na produção de lenha, entretanto, o extrativismo vegetal colaborou com 42,1%, de um total de 89 315 636 m³, contra 57,9% da silvicultura.
A participação de quatro produtos madeireiros - carvão vegetal, lenha, madeira em tora para papel e celulose e madeira em tora para outros fins -, somando R$ 13,0 bilhões, detém quase a totalidade do valor apresentado pela silvicultura; os três produtos não madeireiros (folhas de eucalipto, resina e cascas de acácia negra) somam R$ 151,8 milhões.
O valor da produção da madeira em tora da silvicultura somou mais de R$ 8,8 bilhões, divididos quase equitativamente entre a produção para papel e celulose e a destinada a outros fins. A produção de madeira em tora destinada para papel e celulose contribuiu com 60,3% no total obtido pela silvicultura, processo em que todos os produtos madeireiros obtiveram crescimento, destacando-se o carvão vegetal (19,7).








A produção extrativa - que compreende coleta ou apanha, de forma racional (produções sustentadas) ou de forma primitiva e itinerante (geralmente, em uma única produção) ? totaliza, para os produtos madeireiros, um valor da produção de R$ 4,0 bilhões e para o extrativismo não madeireiro (látex, sementes, fibras, frutos e raízes, entre outros), R$ 935,8 milhões.
Na extração vegetal, o valor da produção de madeira em tora foi de R$ 2,7 bilhões. Este foi o único, entre os cinco produtos madeireiros do extrativismo, a apresentar crescimento entre 2010 e 2011 (11,5%).
Dentre os principais produtos madeireiros da extração vegetal, o carvão e a lenha apresentaram decréscimo em suas produções (10,1% e 1,7% respectivamente), quando comparados com as obtidas no ano anterior, o que se atribui à atuação de órgãos fiscalizadores e ambientais. A quantidade de madeira em tora, em contrapartida, foi 11,5% superior ao ano anterior, decorrência, em parte, da liberação para corte de áreas de manejo florestal e de áreas que serão alagadas por represas.
Os coquilhos de açaí se destacam no extrativismo vegetal não madeireiro com o valor de produção de R$ 304,6 milhões. Somados às amêndoas de babaçu (R$ 142,2 milhões), fibras de piaçava (R$ 123,4 milhões), erva-mate nativa (R$ 118,0 milhões), pó de carnaúba (R$ 90,2 milhões) e castanha-do-pará (R$ 69,4 milhões), representam 90,6% do valor total nesse grupo. Apenas 16 produtos extrativos não madeireiros tiveram aumento de produção quando comparados ao ano de 2010, com destaque para o item ?outras fibras?: 456,9% de aumento, atribuído à extração de uma palmeira nativa do Cerrado, utilizada na confecção de vassouras. Tiveram aumentos expressivos também, entre os dois períodos, a produção de sementes de oiticica (73,0%) e a de frutos do açaí (73,1%).
Entre os não madeireiros da silvicultura, a resina (R$ 137,5 milhões) detém cerca de 90% do valor total da produção não madeireira. Tal como quase todos os demais itens da silvicultura, este produto teve uma variação positiva de 2010 para 2011, quanto ao volume produzido. Apenas dois produtos registraram variação negativa: as folhas de eucalipto e as cascas de acácia negra, respectivamente, de 41,4% e 1,5%.
Um balanço regional da produção florestal do país mostra que a concentração de produtos é diferenciada, conforme o processo produtivo: a região Sul se destaca com dois produtos não madeireiros da extração vegetal: erva-mate (99,8%) e pinhão (97,9%). As demais produções do extrativismo vegetal se concentram nos estados da região Norte ? principalmente açaí (94%) e castanha-do-pará (94,7%) ? e região Nordeste - amêndoas de babaçu (99,6%), fibras de piaçava (96,77) e pó cerifico de carnaúba (100%).
Já na silvicultura, o predomínio fica com as regiões Sul e Sudeste, tanto para os madeireiros quanto para os não madeireiros, estes, assim distribuídos: folhas de eucalipto (89,0%) e resina (59,2%) no Sudeste e casca de acácia negra no Sul, com 100% dessa produção oriunda do Rio Grande do Sul. A região Sul responde também por 33,6% da produção de resina. Quanto aos madeireiros da silvicultura, o Sudeste se destaca na produção de carvão vegetal (84,0%) e de madeira para papel e celulose (38,7%). O Sul fica em primeiro lugar na produção de lenha (69,1%) e de madeira em tora para outros fins que não papel e celulose (65,4%).
A produção de fruto do açaí, em 2011 (215.381 toneladas), cresceu 73,1% em relação ao ano de 2010, com aumento em quase todos os estados produtores, à exceção da Bahia e do Tocantins. O crescimento mais expressivo ocorreu no Amazonas (89.480 toneladas em 2011, contra 3 256 toneladas em 2010), onde se localiza também o maior produtor municipal, Codajás. Todavia, a liderança na produção coube ao Pará (109.345 toneladas), que abriga 12 dos 20 maiores municípios produtores (oito são amazonenses), que juntos são responsáveis por 71,4% da produção nacional.
Mantendo a posição de maior estado produtor de amêndoas de babaçu, o Maranhão (96 160 toneladas) detém 93,8% da produção do País, com destaque para o município de Vargem Grande (5.967 toneladas). O estado abriga os 20 maiores municípios produtores (55,6% da produção nacional em 2011, 102.499 toneladas). O decréscimo de 3,4%, bem próximo à evolução negativa registrada nos últimos anos, indica uma tendência de queda paulatina na produção.
Com um total de 59.360 toneladas, que representam 96,7% do quantitativo nacional (61.409 toneladas), a Bahia mantém a liderança na produção de fibras de piaçava, apesar da queda de 3,7%, em relação a 2010. Lá se encontram 16 dos 20 maiores municípios produtores de piaçava do País, que, juntos com quatro amazonenses, são responsáveis por 99,7% da produção nacional. Ilhéus vem à frente com 20.281 toneladas produzidas em 2011.
Dos 20 maiores municípios produtores de erva-mate, 15 são paranaenses, com destaque para São Mateus do Sul, que produziu, em 2011, 32.940 toneladas e, junto a três catarinenses e dois gaúchos, responde por 67,7% da produção nacional. A produção total de 2011 (229 681 toneladas) representou um ligeiro acréscimo de 1% em relação ao ano anterior. O estado do Paraná liderou a produção com 169.549 toneladas.
A produção de castanha-do-pará, em 2011, 4,4% superior à de 2010, apresenta-se como resultado da grande procura pelo produto, principalmente por empresas ligadas ao comércio exterior. O principal estado produtor foi o Amazonas (14.661 toneladas), seguido de perto pelo Acre (14.035 toneladas) e, em maior distância, pelo Pará (7.192 toneladas) Os 20 maiores produtores no ranking dos municípios - sete do Amazonas, sete do Acre, quatro do Pará e dois de Rondônia ? respondem por 74,3% da produção nacional. O primeiro lugar é do amazonense Beruri, que produziu 6.100 toneladas.
A queda, de 2010 para 2011, de 41,4% na produção de folhas de eucalipto explica-se pelo fato de alguns municípios produtores não terem realizado, no ano passado, a coleta das folhas, utilizadas na fabricação de óleo essencial (eucaliptol). Assim, a produção de 56.797 toneladas foi coletada em apenas 16 municípios. O principal município produtor, São João do Paraíso (32.603 toneladas), é responsável por parte muito expressiva da produção de Minas Gerais (39.947 toneladas).
A produção de resina é bem diversificada do ponto de vista regional. O principal município produtor, Paranapanema (7.980 toneladas) fica no estado de maior produção, São Paulo (37.563 toneladas), mas completam o ranking municípios de várias regiões do país: cinco do Rio Grande do Sul, oito de São Paulo, um de Mato Grosso do Sul, dois de Minas Gerais, um da Bahia e dois do Paraná. Juntos, os 20 respondem por 82% da produção nacional (71.619 toneladas), que registrou um ligeiro crescimento (0,8%), em relação ao ano anterior.
Explorada em um único estado - o Rio Grande do Sul - e com uma produção de 105.578 toneladas (1,5% inferior à quantidade obtida em 2010), as cascas de acácia-negra vêm, nos últimos anos, apresentando queda na produção, devido ao baixo preço do produto. O principal município produtor, em 2011, foi Barão do Triunfo.
A produção de oito estados brasileiros responde por 95% da quantidade de carvão vegetal obtido do extrativismo que, em 2011, totalizou 1.351.192 toneladas, caindo 10,1% em relação a 2010. O principal produtor foi Mato Grosso do Sul (359.314 toneladas), mas é maranhense o município de maior produção: Grajaú (85.476 toneladas) lidera o ranking dos 20 maiores produtores.
A produção de lenha da extração vegetal, em 2011 (37.574.207 m³), também foi 1,7% inferior à do ano anterior. A Bahia (9.171.091 m³) - maior produtor - abriga 10 dos 20 municípios de maior volume produzido, encabeçados por Xique-Xique (677.655 m³).
A madeira em tora foi o único produto madeireiro da extração vegetal que apresentou aumento na produção de 2011, com um acréscimo de 11,5%, em relação a 2010. Dos 14.116.711 m³ produzidos, o Pará participou com 5.653.358 m³ (40%), se caracterizando como o principal estado produtor. Pará, Acre, Rondônia, Bahia e Mato Grosso participam com 82% do total nacional. Dos 20 municípios maiores produtores, 11 são paraenses, com destaque para Baião (659. 764 m³).
A necessidade de suprir a demanda das siderúrgicas e de vários setores que utilizam o carvão vegetal como fonte energética proporcionou um aumento na produção neste item da silvicultura de 19,7%, em relação a 2010 (em 2011, foram produzidas 4.127.781 toneladas). O principal estado produtor é Minas Gerais (3.351.614 toneladas, correspondentes a 81% da produção nacional), tendo à frente o município de João Pinheiro (8,2%).
Com um aumento de 7,6% em relação ao ano anterior, a quantidade de lenha da silvicultura, em 2011, atingiu 51.741.429 m³, dos quais 14.364.067 m³ foram produzidos no Rio Grande do Sul. No ranking dos 20 maiores produtores, o Paraná aparece com quatro municípios, sendo Telêmaco Borba o principal produtor (1.721.697 m³).
A produção de madeira em tora para papel e celulose, no ano passado, foi de 75. 882.049 m³, um crescimento de 8,7%, em relação a 2010. O principal estado produtor é São Paulo, com 18. 932.703 m³. Entre os 20 municípios de maior produção, Caravelas (Bahia) veio à frente, em 2011, com 3.719.102 m³.
A produção de madeira em tora para outras finalidades, em 2011, foi de 49.970.760 m³, 8,7 % superior à obtida em 2010. O Paraná é o maior estado produtor (18.020.996 m³). O ranking, entretanto, é encabeçado por um município paulista, Itapetininga, com 3,9% da produção nacional.
Reações:

Postar um comentário

 
Top