Área nativa de babaçuais devastada recentemente em Barras para especulação imobiliária

O promotor de justiça Glécio Setúbal  instaurou procedimento preparatório de inquérito civil com o objetivo de investigar denuncia de crime ambiental que estaria afetando o bioma do Município de Barras, especialmente nos últimos três anos após a construção de vários empreendimentos imobiliários que estão derrubado palmeiras de babaçu centenárias, além de árvores em extinção. 


O promotor de justiça afirma ter recebido Oficio Nº 198/2017-CAOMA, pedindo providencias e informando sobre a extração de rochas no Rio Marathaoan, o que vem causando a desproteção das margens do rio.  Campos para plantações de melancia capim também estão acabando com a vegetação natural nas proximidades da margem do Marathaoan. 

Glécio Setúbal determinou que seja enviado um oficio ao Departamento Nacional de Produção Mineral, requisitando informações sobre a autorização de pesquisa e concessão, licença ou permissão de lavra da área.

As policias Civil e Militar Ambiental do Piauí, também serão notificadas para que verifiquem a configuração do crime ambiental.

Reações:

Postar um comentário

 
Top