Palácio Casa Rosada, sede da Prefeitura de Barras
O Município de Barras recebeu nesta Quarta-feira, 26 de Abril de 2017, um presente de grego. Fiscais da Receita Federal do Brasil (RFB) estiveram no município apresentando relatório resultante de uma fiscalização referente ao exercício de 2013. Foram entregues ao prefeito Carlos Monte, no Palácio Casa Rosada,  o resultado que se refere ao não recolhimento dos encargos da administração das secretarias municipais de Educação, Saúde e do Hospital Regional Leônidas Melo, que à época era municipalizado.
De acordo com a controladora geral do município, Leonilda Teixeira, o então prefeito de barras, Edilson Sérvulo de Sousa, deixou de pagar à Receita Federal o valor de R$ 5.720.048,16 (cinco milhões, 720 mil, 48 reais e 16 centavos).
Para poder honrar com o compromisso, o atual prefeito Carlos Monte, decidiu parcelar o débito que, com as multa e os encargos moratórios de 75%, chegou ao valor de R$ 4.290.636,12 (quatro milhões, duzentos e noventa mil, seiscentos e trinta e seis reais e doze centavos).
Edílson Sérvulo, ex-prefeito de Barras
Isso significa que a dívida aumenta para um total de R$ 10.010.684.28 (dez milhões, dez mil, seiscentos e oitenta e quatro reais e vinte e oito centavos). O mais preocupante dessa questão é que esse valor é referente somente ao ano de 2013, o primeiro ano da gestão anterior. Os outros três anos ainda não foram auditados.
O débito será parcelado em 120 meses, ficando uma parcela mensal de R$ 84.000 em media. O parcelamento só poderá acontecer após a conclusão do relatório da Secretaria de Saúde, que está em andamento.
Vale lembrar que no débito de mais de 10 milhões ainda não estão incluídos os valores da Saúde e da Educação, que também estão envolvidos neste crime, a expectativa é que será outro grande montante em dinheiro. 
O Município deverá entrar com ação de improbidade administrativa e apropriação indébita contra o ex-gestor que deverá explicar a Justiça onde ele investiu esse dinheiro.
Veja documentos!




(*) Publicação original de Maria Carcará, portal longah.com

Reações:

Postar um comentário

 
Top