É do conhecimento público que a violência em Barras tem aumentado de dezembro até os dias atuais. Também é do conhecimento público que em todos os casos de violência as pessoas que agiam de forma errada e afrontando a lei, circulavam em motocicletas. Um dos alvos das polícias civil e militar tem sido os condutores desses veículos, pois em muitos deles os usuários são menores de idade, não possuem carteira de habilitação, não usam capacete e também muitas motos são roubadas e usadas no mundo do crime. Os policiais civis e militares lotados em Barras tem prestado serviço com responsabilidade e dado respostas que satisfazem a sociedade.

Agora, nem todo mundo em Barras é criminoso, uma minoria da juventude barrense tem cometido atos que fogem a margem da sociedade sadia, essa minoria geralmente mora nos bairros da periferia e está sem assistência dos poderes públicos nas suas mais comuns necessidades. Muitos jovens erram porque primeiro erram os governantes dos municípios, dos estados, dos países que moram.

Atos de truculência, de despreparo para com a profissão, de desrespeito até, tem sido provocados por policiais da RONE que circulam a cidade de Barras, enviados pela Secretaria de Estado da Segurança Pública. Com armas de grosso calibre, afrontando e fazendo "baculejos" em pessoas de família e até à porta das suas casas, parando jovens de todas as idades, até crianças, em ruas e praças e tratando a todos como se bandidos fossem.

No último sábado por volta das 20h30min, o adolescente de iniciais J. S., 15 anos, estava com um grupo de amigos da mesma faixa de  idade na Praça do Bairro Pequizeiro, usando o wi-fi, quando um carro com policiais da RONE fortemente armados, parou e obrigou todos os jovens menores de idade a colocarem as mãos para cima e começaram a fazer "baculejo". As famílias estavam todas sentadas às portas da suas casas que ficam no entorno da praça.  A senhora C. S., mãe do adolescente J. S. de 15 anos, ao avistar o filho sendo "baculejado", se aproximou correndo e se apresentou como genitora do menino. Segundo informações da mãe a reportagem do Tribuna de Barras, aos gritos, um dos policiais perguntou o que ela estava fazendo ali. A mãe respondeu: meu filho está neste grupo de adolescentes, eu estava o avistando da porta da casa de uma amiga, pois também moro aqui perto. O garoto, que estava de costas e com as mãos para o alto, sendo "baculejado", ao ouvir a voz da mãe se virou e ficou de frente para ela; neste momento, de forma discriminatória e preconceituosa o policial apontou para o menino e disse: "é este índio o seu filho?" (o menino usa alargador nas orelhas). A mãe respondeu: ele não é índio e é meu filho! De imediato o policial deu um tapa nas costas do garoto que ficou a marca da mão e dos cinco dedos do "bandido fardado"... e disse: leve seu indiozinho para casa!

...Bandido fardado sim, pois não seria essa a ação desse elemento da Polícia Militar do Piauí se tivesse o mínimo de preparo...

O caso, com testemunhas, deve ser apresentado ao Conselho Tutelar do Município e a Corregedoria da Polícia Militar do Piauí. Não somente os garotos afrontados, mas os pais da maioria deles estavam sentados nas calçadas das suas casas os avistando.

Barras precisa de trabalhos direcionados a juventude por parte do Poder Público Municipal no sentido de tirar os jovens das ruas, investir em programas sociais recreativos, culturais e esportivos, seria uma ótima alternativa. Se criar espaços públicos como o Parque da Cidadania, Parque Parentão, Parque Potycabana, Parque Lagoas do Norte, construídos em Teresina, também seriam de bom alvitre. 

Não precisamos em Barras de policiais vindos de Teresina para espancarem nossos jovens, nem para tratarem nosso povo de forma generalizada como marginal. Fica aqui o repúdio do Tribuna de Barras a esses policiais despreparados da RONE que o comando da Polícia Militar do Piauí e a Secretaria de Estado da Segurança Pública enviou a nossa cidade.

Em Barras temos policiais competentes, de largo serviço prestado a nossa sociedade. O que em Barras falta são melhores condições de trabalho para os policiais residentes em Barras, além do aumento do efetivo policial. Se derem condições de trabalho aos grandes profissionais civis e militares que em Barras temos, podem mandar de volta "seus bandidos fardados" da RONE!

Senhores Comandante da Polícia Militar do Piauí e Secretário de Estado da Segurança Pública, basta vocês conversarem com o exemplar policial PM José de Deus Carcará Filho, que mora e trabalha aqui em Barras, ele sabe todos os caminhos do crime em nossa cidade e onde estão entocados os criminosos. Não precisamos aqui de RONE para afrontar nosso povo.



Reações:

Postar um comentário

 
Top