Teresina, capital do Piauí. Foto: Juscelino Reis.

O Piauí possui a menor taxa de desemprego do Brasil, 9,4%. Os dados são da Pesquisa Nacional por Amostra Domiciliar Classificada (PNADC), realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística(IBGE), relativa aos meses de julho, agosto e setembro de 2016. Para o economista César Fortes, presidente do Banco de Fomento do Estado, instituição que estimula o empreendedorismo financiando pequenos negócios, isso mostra a força do trabalhador piauiense e sua disposição para o trabalho e ajudar o Estado crescer.

OS DADOS
A pesquisa começa mostrando a população do Estado. Somos hoje, exatos 3 milhões, 214 mil pessoas morando e estabelecidas aqui.

DISTRIBUIÇÃO
Essa população está assim distribuída: 14 anos ou mais, são 2 milhões, 551 indivíduos aptos para o trabalho. Fora da idade de trabalho são 663 pessoas.

DIVISÃO
Dos 2 milhões, 551 mil prontos para o trabalho, apenas 1 milhão, 420 mil se qualificou e quer trabalhar. Os outros 1 milhão, 131 mil estão fora da força de trabalho por algum motivo.

FORÇA OCUPADA
Diz a pesquisa que, dos 1 milhão 420 mil disposto ao trabalho, somente 1 milhão, 287 mil nesse momento estão trabalhando. Os 133 mil, 9,4% estão desocupados.

DESEMPREGO NO BRASIL
No país, a taxa de desemprego de acordo com o IBGE é de 11,8%. Por região, o Nordeste lidera com 14, 1% de desempregados, seguido pelo Sudeste com 12,3%, Norte com 11,4%, Centro Oeste 10,0% e Sul com a menor taxa, 7,9%.

DESEMPREGO POR REGIÃO
A pesquisa revelou também a taxa de desemprego por regiões, copilando cada Estado. Na região o total e desempregados chega a 14,1%.

POR ESTADOS
Quando colocados os Estados a situação ficou assim: Bahia – 15,9% de desempregados, seguido de Pernambuco com 15,3%, Alagoas 14,8%, Sergipe 14,2%, Rio Grande do Norte 14,1%, Ceará 13,1%, Paraíba 12,8%, Maranhão 11,9% e o Piauí na última colocação com a menor taxa de desempregados na casa de 9,4%.

REMUNERAÇÃO
A pesquisa avaliou a remuneração mensal do brasileiro e também, por região. Descobriu desigualdades. No país, a média mensal de salário é de R$ 2.015. Por regiões, o Sudeste lidera com R$ 2.315, seguido pelo Centro Oeste com R$ 2.228, Sul R$ 2.207, Norte com R$ 1.539 e o Nordeste com a pior média salarial da ordem e R$ 1.348.

REMUNERAÇÃO POR ESTADOS
Foram avaliadas as remunerações e as desigualdades por Estados. No Nordeste ficou assim: a melhor média é de Sergipe com R$ 1.564, seguido de Pernambuco com R$ 1.546, Rio Grande do Norte R$ 1500, Paraíba R$ 1.418, Bahia R$ 1.314, Alagoas R$ 1300, Piauí R$ 1.281, Ceará R$ 1.260 e na última posição com o pior salário o Maranhão com R$ 1.122.

ATIVIDADE ECONÔMICA
O IBGE pesquisou para saber onde está concentrada a força de trabalho na atividade econômica do país. No Piauí a pesquisa revelou que a maior concentração está no comércio, reparação de veículos e bicicletas com 20%.

E MAIS
A agricultura, pecuária e pesca concentram 19% dessa mão de obra. Ainda 19% nas demais ou outros, 18%n na administração pública, seguridade, educação, saúde e serviços sociais. 10% na construção civil, 7% na indústria e 7% nos serviços domésticos.

REMUNERAÇÃO DE MÃO DE OBRA OCUPADA
No Piauí, a remuneração da mão de obra ocupada, ficou assim: administração pública, seguridade, educação, saúde e serviços sociais R$ 2.389, informação, comunicação imobiliária R$ 1.946, transportes, armazenagens e correios R$ 1.541, indústria R$ 1.100, construção R$ 1.079, agricultura, pecuária e pesca R$ 363.

REMUNERAÇÃO DESTACADA
A pesquisa quis saber quanto ganha uma pessoa no Piauí pela posição que ocupa. Em média, o empregador tem retirada de R$ 2.821. Empregado público, inclusive militar R$ 2.597, setor privado com carteira R$ 1.344, conta própria R$ 696, setor privado sem carteira R$ 638, trabalhador doméstico R$ 492. A média ponderada desse quesito é de R$ 1.281.

(*) Matéria original publicada pelo jornalista Pedro Alcântara Carvalho do Nascimento, portal 180graus.




Reações:

Postar um comentário

 
Top