Estádio Albertão, em Teresina, em dia de jogo do River Atlético Clube no Campeonato Brasileiro
Durante reunião na manhã de hoje (28), o Ministério Público do Estado (MPE) decidiu pedir a suspensão de torcidas organizadas por um período de 5 anos, devido aos tumultos registrados durante jogos na capital. No último Sábado (23), uma confusão envolvendo as torcidas do Fortaleza e River acabou provocando tumulto dentro do Estádio Albertão, e Teresina, e deixou uma pessoa ferida.
"Nós recebemos o inquérito policial ontem, e amanhã mesmo estamos solicitando à Justiça a suspensão por 5 anos dessas torcidas organizadas, a exemplo de outros estados. Se for concedido, essas torcidas não poderão participar de eventos esportivos nenhum aqui no Piauí", disse a promotora Maria das Graças do Monte Teixeira, titular da 32º Promotoria de Justiça do MPE.
De acordo com a promotora, todas as torcidas que já são conhecidos por causar tumulto, com histórico de violência, devem ser suspensas dos eventos do Piauí. Um sistema de monitoramento por câmeras deve ser implementado para facilitar na identificação de torcedores durante os tumultos.
Além das câmeras, ficou estabelecido ainda na reunião que em um prazo de 120 dias, a Fundação dos Esportes do Piauí - FUNDESPI deve executar reformas estruturais no Estádio Albertão, como o funcionamento de catracas eletrônicas para controle do acesso, iluminação interna e externa, reforma das fissuras dos muros e locais que permitem entrada ilegal de pessoas, e salas de segurança para todas as instituições envolvidas nos eventos, como Polícia Militar e Corpo de Bombeiros.
O representante da Polícia Militar, coronel Paulo de Tarso, destacou que a ausência de um monitoramento dificulta a identificação de pessoas em situações de confusão. "São muitas pessoas aglomeradas, com pessoas infiltradas na multidão, então eles pensam que a impunidade reina. É difícil a Polícia Militar detectar quem foi o causador, quem jogou rojão, quem jogou pedra, porque a gente não tem um sistema de monitoramento dentro do estádio que facilitaria", explica o coronel.
Participaram da reunião: representantes do Ministério Público do Estado, da Fundação dos Esportes do Piauí - FUNDESPI, do Corpo de Bombeiros, da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano e Habitação (SEMDUH), e da Polícia Militar.



Reações:

Postar um comentário

 
Top