O estudante de psicologia Anderson Veloso denunciou no Facebook uma série de agressões que sofreu na noite do último sábado (30/04) em Petrolina (PE). O jovem de 21 anos estuda na Universidade Federal do Vale dos São Francisco (Univasf) é natural de Picos e denunciou que se trata de um crime de homofobia, e que foi capturado por três homens, colocado em um carro, agredido fisicamente e verbalmente e por fim estuprado.
“Fui levado a um lugar desconhecido e chegando lá me espancaram com socos, me derrubaram no chão e continuaram a me bater, mesmo já debilitado, após isso me enforcaram com o cordão do meu short. Como se não bastasse tudo isso que aconteceu, ainda violaram sexualmente de mim”, disse ele na rede social.
Anderson relatou que os agressores o ameaçavam e gritavam: "vou te matar viado" e "vai embora de Petrolina, viadinho". O jovem disse ainda que jamais imaginou que sofrer um crime de homofobia e denunciou a violência da cidade pernambucana.
Anderson Veloso, a vítima
“Tantas e tantas vezes já havia ouvido falar que a homofobia matava, mas mesmo assim, isso não me chegava aos olhos, visto que nunca havia passado por uma situação como essa. Hoje, só hoje, eu posso verdadeiramente enxergar que o preconceito é capaz de nos levar a lugares nunca vistos antes, e com o coração despedaçado, infelizmente”, disse.
O estudante fez a primeira postagem no Facebook no domingo, mas ela foi removida porque segundo a mídia social, ‘não seguia os padrões da comunidade’. O jovem postou o texto novamente e muitos amigos deram apoio a ele. “Essa dor que eu estou sentindo não é só minha, é a dor das milhares de famílias e amigos que perderam os seus por não serem esses malditos sortudos, assim como eu. É por eles, pelos que não voltaram.
Pelos meus familiares. Pelos meus amigos. E acima de tudo, pela minha liberdade que ninguém toma, por aqueles que ainda irão levar muito na cara, por todos aqueles que perderam suas vidas. Um lado da minha face apanhou, mas eu ainda tenho o outro lado”, concluiu.
HOMOFOBIA EM PERNAMBUCO

Pernambuco já foi um dos locais onde mais ocorreram números de mortes de pessoas LGBT, segundo o levantamento do Grupo Gay da Bahia (GGB) realizado em 2013, quando foram identificados 312 assassinatos. Sendo mortes e suicídios de gays, travestis, lésbicas e transexuais brasileiros vítimas de homofobia e transfobia. Sendo 34 em Pernambuco, 29 em São Paulo, 25 em Minas Gerais e - empatados em quarto lugar - Bahia e Rio, com 20 mortes.

Os números caíram timidamente nos últimos anos, mas os casos ainda preocupam. Homofobia hoje em pernambuco é considerado crime.
HOMOFOBIA NO PIAUÍ

Estatísticas do Disque 100, central mantida pela Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República (SDH/PR), aponta que o Piauí é o segundo estado, em termos relativos, onde há chances de ocorrer um homicídio com motivação homofóbica. O Piauí fica atrás apenas da Paraíba, que também fica localizada no nordeste.

Os números relativos configuram que, ao mesmo tempo em que em todo o Brasil os gays assassinados representam 1,6 de cada um milhão de habitantes, no Piauí esse número sobe para 4,1. Já na Paraíba, primeira colocada, é de 4,5 por um milhão de habitantes.




(*) 180graus
Reações:

Postar um comentário

 
Top