Novelas, estilos muiscais tipo forró, funk, swingueira,estimulam ao sexo precoce e até irresponsável


A garota Jaíssa Ravena Silva Oliveira, 13 anos, morreu nessa quarta-feira (20) na Maternidade Dona Evangelina Rosa, zona Sul de Teresina. De acordo com o diretor da unidade, médico José Brito, a suspeita da equipe médica é de que a garota tenha ingerido uma medicação abortiva. Outras duas mortes de mulheres também aconteceram nessa madrugada na naternidade, uma por insuficiência hepática, outra por insuficiência respiratória
O diretor informou que a menina chegou ontem na maternidade com sangramento intenso, que foi a causa da morte. Os médicos não conseguiram conter a hemorragia. Ele também confirmou que já ocorreram cinco mortes na Evangelina Rosa só este ano, três delas tendo ocorrrido de ontem para hoje. 
Ainda não há informações sobre a idade gestacional ou sobre quem seria o pai da criança que a menina estaria esperando. Sendo maior de 18 anos, o homem pode responder por estupro de vulnerável, já que a garota tem menos de 14 anos, conforme prevê o código penal. Já sendo menor de idade não acontece nada com o homem, pois para a contraditória lei o que vale é a "idade" e não o "ato sexual", um absurdo, convenhamos! 

Outra pergunta para o momento é "o que faz uma menina de 13 anos transando?". Não estaria tendo que brincar com uma boneca ao invés de um pênis?

Conselheira tutelar
Em entrevista ao Notícia da Manhã, a conselheira tutelar Ana Amélia Silva Menezes disse que conversou com a mãe da menina e o caso já foi repassado para a Delegacia de Proteção a Criança e ao Adolescente (DPCA). Ela reforça que há fortes indícios de que a garota tenha tomado algum remédio abortivo. 
"Será investigado se o pai era um adolescente ou maior de idade, como se deu esse envolvimento, se a família tem ou não responsabilidade diante da situação. Será um trabalho investigativo da DPCA e do Conselho Tutelar. Ela chegou com forte hemorragia e tudo indica que foi aborto. Tivemos com a mãe uma conversa muito simples, porque ela ainda está muito abalada. Só informamos que o Conselho Tutelar já está ciente do que ocorreu", explica a conselheira. 
Ana Amélia Silva acredita que, na próxima semana, a mãe já deve prestar esclarecimentos, mas a decisão depende do colegiado do Conselho Tutelar que já solicitou a cópia do laudo de morte para saber o que causou o óbito de Ravena. 
"Soubemos do caso através da mídia e da própria maternidade. De imediato, fomos à maternidade, mas o corpo já havia sido liberado com autorização da mãe para o Serviço de Verificação de Óbito para saber o porquê da morte. Quando a gente chegou ao SVO, o corpo já havia sido levado para o IML e ao chegarmos lá, já havia sido liberado para a família. Contudo, já foi feita  necropsia, conversamos com um funcionário do IML que nos enviará uma cópia do laudo para que a gente possa tomar todas as providências", reitera a conselheira. 
(*) Cidade Verde
Reações:

Postar um comentário

 
Top