O comandante do policiamento ostensivo de Teresina, coronel Wagner Torres, já decidiu que vai jogar duro contra “os filhos de papai” que usam paredões para perturbar o sossego público em Teresina. “Vamos apreender o som de quem estiver incomodando a população e entregar para a Justiça resolver o problema”, disse Torres, nesta manhã de Sexta-feira (26), minutos antes de seguir para uma operação em local não revelado.

Baseado na Constituição Federal e na Lei das Contravenções Penais, o coronel “linha dura” disse que não vai permitir que o trabalhador chegue a noite em casa para descansar e uma meia dúzia de pessoas o incomodem com músicas em volume alto e com repertórios de gosto do dono de paredão.

“Já percorri todos os postos de combustíveis e deixei o meu telefone. Eu só durmo quatro horas por dia. Qualquer pessoa pode me ligar a qualquer hora. Eu já pulo da cama pronto para operação. Não vamos permitir esse abuso. Em Picos eu acabei com isso e aqui vou acabar também. Quem quiser fazer sua zoada que vá para longe da cidade”, ordenou Wagner Torres.

Para aplicar um flagrante na conhecida rapaziada do barulho, Wagner Torres saiu às ruas na noite desta quinta-feira (25), com 70 policiais. “Mas choveu e parece que eles adivinham. Não deram um pio em lugar nenhum”, constatou o coronel, dizendo que não escolhe cara. “Minha parte eu vou fazer. A lei vai ser cumprida seja contra quem for”.

A propósito, a Lei das Contravenções Penais em seu artigo 42 diz que “perturbar alguém no trabalho ou o sossego alheio, com gritaria, algazarra, abusando de instrumentos sonoros ou sinais acústicos, sofre prisão simples (de 15 dias a 3 meses) ou multa.

Em Teresina, até a semana passada, antes do coronel “linha dura” assumir o comando do policiamento da capital, somente a Delegacia do Silêncio “se metia” na questão. “Mas agora vamos garantir a paz aqui, que deve ser o espelho para todo o Estado”, afirmou.


(*) Walcy Vieira, portal AZ
Reações:

Postar um comentário

 
Top