O Serviço de Atenção à Mulher Vítima de Violência Sexual (Samvis), que funciona na Maternidade Dona Evangelina Rosa, em Teresina, registrou 456 vítimas de estupro no Piauí somente ano passado. Pelos registros, 237 abusos ocorreram somente em Teresina. Segundo o Serviço, dos números do Estado, 272 vítimas tinham entre 10 e 19 anos, 78 foram crianças na faixa etária de 5 a 9 anos e 56 vítimas tinham até 4 anos de idade.
O Samvis também divulgou que dos estupros, oito ocorreram na casa da vítima e 78 foram na casa do agressor. 
A promotora da 1ª Vara da Infância e da Juventude, Vera Lúcia Santos, informou que foi pedida a prisão preventiva do tio suspeito de estuprar a sobrinha de 12 anos há cerca de dois meses. Em decorrência da violência sexual a menina engravidou e a família luta para conseguir autorização para realização do aborto. 
A promotora conta que soube do crime por meio do Conselho Tutelar e a prisão não foi efetivada anteriormente porque o suspeito não foi localizado. 
“Quando recebemos a denúncia encaminhamos para a DPCA, na época, representamos pela prisão preventiva que foi deferida e ele não foi preso porque estava foragido. A conjunção carnal teria ocorrido apenas uma vez, dentro de um casarão quando a vítima voltava da escola, há dois meses atrás. Fizemos o nosso trabalho e agora estamos aguardando do poder judiciário. Acreditamos que de hoje para amanhã, a prisão seja decretada”, disse Vera Lúcia.
A promotora ressalta ainda que antes mesmo da conjunção carnal, suspeito estava proibido de se aproximar da sobrinha por meio de uma medida cautelar, uma vez que ele já havia praticado por um ano, atos libidinosos contra a menor. O caso denunciado em outubro de 2014. 
Abortos
Dados da Secretaria Estadual de Saúde do Piauí apontam que 448 mulheres realizaram aborto legal no Piauí, na rede hospitalar do estado. Dos casos, 374 ocorreram em 2014 e 74 neste ano. No Brasil, a retirada do bebê só é permitida em casos de violência sexual ou quando a gravidez oferece risco à mãe ou à criança. 
A secretaria de Saúde, através da assessoria, explica que estes dados são referentes a abortos legais em hospitais por todo o estado e incluem casos de violência sexual ou em decorrência de algum problema de saúde, como fetos anencéfalos, que possuem má formação do cérebro.
Entre os casos, em que é permitido o aborto, está o de uma garota de 12 anos que foi violentada em um casarão no caminho da escola. A vítima está grávida de dois meses e família luta para conseguir a realização do procedimento. 
Já os dados do Samvvis (Serviço de Atenção à Mulher Vítima de Violência Sexual), que funciona em Teresina, Parnaíba, Picos, Floriano, Bom Jesus, São Raimundo Nonato e Corrente, apontam que, no ano passado, 456 mulheres vítimas de abusos sexuais no estado, sendo 237 em Teresina. Nos últimos dez anos houve aumento de 80% no íncide de violência sexual contra a mulher. 
O relatório elaborado pelo Samvvis aponta ainda que a maioria das vítimas tem entre 10 e 19 anos de idade; 78 são crianças de cinco a nove anos e 56  vítimas com até quatro anos de idade. O levantamento mostra que a maioria das agressões ocorrem na casa da vítima, do agressor ou em via pública, sendo que a maioria, tem Ensino Fundamental completo, são da cor parda e desconhecidos da vítima. Entre os agressores em potencial estão ainda vizinhos, conhecidos da família, tios e padrastros.
Entre os municípios piauienses com maiores índices estão Teresina, Altos, Água Branca, Barras, Campo Maior, José de Freitas e União. Em se tratando de bairros na capital, a maioria das vítimas residem nos bairros Promorar, Piçarreira, Angelim I, Mocambinho I e Dirceu II. 
(*) Texto: Graciane Sousa, Cidade Verde
Reações:
 
Top