Barras viveu de 28 de Novembro até o dia de hoje (8 de Dezembro) a mais esperada festa do Município: o tradicional festejo religioso em louvor a sua Padroeira, a Vírgem e Imaculada Conceição.

Durante dez dias a cidade esteve repleta de visitantes, mantendo uma tradição que teve seu início em 1751, ano da fundação da Paróquia de Nossa Senhora da Conceição de Barras do Marathaoan.



Guiada pelo Padre Antônio Pereira, no final da tarde desta Segunda-feira, uma multidão de cristãos percorreu várias ruas do centro histórico de Barras, em procissão, até chegar ao adro da Igreja Matriz, onde o povo de Deus aplaudiu e gritou vivas à Mãe de Jesus Cristo.




... E a multidão canta...

Eia povo barrense é chegado
O momento de nossa alegria
Elevai vossa fé ó cristãos
Em louvores à virgem Maria.

Salve Rainha dos Céus
Salve a estrela da manhã
Salve a Padroeira de Barras do Marathaoan!
salve a Padroeira de Barras do Marathaoan!

Barras terra por nós tão querida
Está sob a feliz proteção
De Maria a virgem das virgens
Na sublime e real Conceição.

Ó Maria majestade bendita
Que na santa e feliz Conceição
Deste a Barras o teu amor supremo
E aos barrenses o teu coração.

Salve Rainha dos Céus
Salve a estrela da manhã
Salve a Padroeira de Barras do Marathaoan!
salve a Padroeira de Barras do Marathaoan!











No Piauí, Nossa Senhora da Conceição é padroeira das seguintes cidades: Bocaina, Barras, Pedro II, Porto, Brasileira, Palmeiras, Conceição do Canindé e Prata do Piauí. Em todas essas cidades grandes festas são realizadas em louvor a Mãe de Jesus Cristo.


Nossa Senhora, a Rainha de todos os santos

Esta verdade, reconhecida pela Igreja de Cristo, é muito antiga. Muitos padres e doutores da Igreja oriental, ao exaltarem a grandeza de Maria, Mãe de Deus, usavam expressões como: cheia de graça, lírio da inocência, mais pura que os anjos.

A Igreja ocidental, que sempre muito amou a Santíssima Virgem, tinha uma certa dificuldade para a aceitação do mistério da Imaculada Conceição. Em 1304, o Papa Bento XI reuniu na Universidade de Paris uma assembleia dos doutores mais eminentes em Teologia, para terminar as questões de escola sobre a Imaculada Conceição da Virgem. Foi o franciscano João Duns Escoto quem solucionou a dificuldade ao mostrar que era sumamente conveniente que Deus preservasse Maria do pecado original, pois a Santíssima Virgem era destinada a ser mãe do seu Filho. Isso é possível para a Onipotência de Deus, portanto, o Senhor, de fato, a preservou, antecipando-lhe os frutos da redenção de Cristo.

Rapidamente a doutrina da Imaculada Conceição de Maria, no seio de sua mãe Sant’Ana, foi introduzido no calendário romano. A própria Virgem Maria apareceu em 1830 a Santa Catarina Labouré pedindo que se cunhasse uma medalha com a oração: “Ó Maria concebida sem pecado, rogai por nós que recorremos a vós”.

No dia 8 de dezembro de 1854, através da bula Ineffabilis Deus do Papa Pio IX, a Igreja oficialmente reconheceu e declarou solenemente como dogma: “Maria isenta do pecado original”.

A própria Virgem Maria, na sua aparição em Lourdes, em 1858, confirmou a definição dogmática e a fé do povo dizendo para Santa Bernadette e para todos nós: “Eu Sou a Imaculada Conceição”.

Nossa Senhora da Imaculada Conceição, rogai por nós!


(*) Fotos: A Grande Barras e GAV (Francisco Sampaio)

Reações:
 
Top