Muita gente pode achar que o aparelho desligado no botão é garantia de que o mesmo não está consumindo energia. No entanto, um estudo feito pela a Proteste Associação de Consumidores mostrou que tirar o aparelho da tomada pode reduzir o valor da conta de energia elétrica em até 20%. 

Para a coordenadora institucional da Proteste, Maria Inês Dolci, a pesquisa revelou que o fato de possuir vários aparelhos em casa que permanecem em modo de espera, no final das contas, impacta diretamente no consumo de quilowatts-hora (kWh) e no bolso do consumidor. “É preciso que as pessoas tenham consciência e comecem a aplicar esses procedimentos que irão fazer a diferença na conta de luz e na economia doméstica”, afirma a coordenadora.


Modo off: Tendo em vista tanto a tendência do aumento do consumo de energia por conta do Verão que se aproxima, quando o novo modo de tarifação mensal na conta de luz que passa a valer a partir de janeiro do ano que vem, o uso do modo espera precisa ser melhor estudado pelas famílias. Aparentemente, ele é apenas uma luzinha vermelha, mas na realidade representa enorme perda de energia. Para a gerente de Eficiência Energética da Coelba (a distribuidora de energia que atende o estado da Bahia), Ana Christina Mascarenhas, o stand by não vale apenas para a televisão, forno micro-ondas, computador, som e ar-condicionado, mas também para os equipamentos de TV por assinatura e de aparelhos que estão conectados à internet via wi-fi. Ela diz que a medida de desligar todas as luzes e todos os botões - e até mesmo tirar o aparelho da tomada - só não vale para geladeiras para não estragar os alimentos.“Se deixou o aparelho na tomada, ele está consumindo energia e não é pouca coisa como se pensa. É uma perda realmente muito significativa”, reforça. 

A estudante de Fisioterapia Laiane Mesquita costuma pagar por mês de R$ 100 a R$ 120, mesmo com o desconto de 10% da Tarifa Social de Energia. “Os dois ventiladores, dois televisores com TV por assinatura, geladeira, micro-ondas e mais o notebook estão sempre ligados”, conta ela. A estudante confessa que quase nunca tira os aparelhos da tomada. “Minha rotina é muito corrida. Enquanto eu dou banho na bebê, estou batendo a vitamina dela no liquidificador e esquentando a comida dos meninos no micro-ondas. Ao mesmo tempo, meu outro filho liga a televisão e o mais velho brinca no notebook. Acabo não desconectando da tomada para não ter que sair ligando tudo de novo as coisas que uso com frequência”. Questão de hábito Segundo informações da Coelba, o valor aproximado do kWh para a classe residencial é de R$ 0,51 (para endereços em que o consumo seja até 149 kWh) e de R$ 0,53 (a partir de 150 kWh). O estudante Luan Porto paga caro pelo uso do stand by. “Minha conta chega a R$ 140. Não ligo mais o chuveiro elétrico e as luzes estão sempre apagadas quando não tem ninguém em casa”, diz. O ventilador ligado o dia todo pesou no registro final do contador de energia. “O calor está muito grande. Nessa época do ano, posso até desligar quase tudo, menos ele”. A gerente de Eficiência Energética Ana Christina Mascarenhas reforça que melhorar o consumo de energia é uma questão de hábito. Mesmo com todo o monitoramento, o consumo de energia na sua casa dobra quando o tempo está mais quente. “A culpa é principalmente do ar-condicionado e de como meu filho costuma utilizá-lo. Ele viajou e ficou um mês fora e o consumo reduziu em 100 kWh, algo que diminuiu em R$ 50 a minha conta”. Conversar em casa foi a solução. “Então, aí a gente tem mesmo que bater aquele papo e chegar em um ponto em que ele perceba que não há necessidade de manter o aparelho ligado quando não está sendo usado. A família toda precisa contribuir”. A gerente atenta o consumidor para mais algumas dicas: “Prefira equipamentos que possuem uma potência menor, reconhecidos pelo Procel e Inmetro. Não há também necessidade de chuveiro elétrico ligado com todo esse calor. Lâmpada de Led é outro recurso que pode ajudar a reduzir o valor da conta”.
Reações:
 
Top