Politicagem e falta de comprometimento com a causa nas administrações de Manim Rêgo e Chico Marques, deixaram o Hospital Leônidas Melo em estado crítico.

Na última semana, o Juiz de direito da Comarca de Barras, Juscelino Norberto, acatou o pedido constante em Ação Civil Pública e determinou que o Governo do Estado do Piauí deve receber o Hospital Leônidas Melo, em Barras. 

O Estado deverá assumir responsabilidades administrativa e financeira para manutenção da unidade de saúde, cujas obrigações eram do próprio Estado e no Governo Wellington Dias (PT) passaram a ser do Município, conforme ato assinado entre o então governador Wellington Dias e o então prefeito Manim Rêgo (PMDB, hoje PSB). 

A atual decisão para volta da administração do Hospital Leônidas Melo ao Governo do Estado do Piauí foi expedida após atuação do Ministério Público, através do Promotor de Justiça Glécio Setúbal, que havia pedido tutela antecipada, a fim de que o recebimento fosse imediato.  

Em 2007 foi firmado um convênio entre a Prefeitura de Barras e o Governo do Estado, para que o hospital fosse administrado pelo município. Porém, a validade expirou em 2009, e não existiria mais legalidade na administração do hospital por parte do Município. 

Em relatório, ficou comprovada a situação de absoluta impossibilidade de manter a instituição de saúde sob a administração municipal. O Estado se recusou a receber e fornecer recursos financeiros para manutenção, decisão que prejudicou a população de Barras e de 12 municípios do seu entorno que compõem a chamada Região da Grande Barras, pois, embora exista a atribuição dos municípios para prestar serviços de saúde, tal incumbência demanda cooperação técnica e financeira da União e do Estado.

O Governo do Piauí tem o prazo de 30 dias para receber o Hospital Leônidas Melo, sob pena de multa diária no valor de R$ 50 mil em caso de descumprimento.


O Hospital Leônidas Melo, desde que sua gestão foi passada para o Município, presta serviços abaixo do nível de qualidade e por conta disso até tiroteios já aconteceram dentro da instituição devido a falta de atendimento.

Manim Rêgo e Chico Marques deixaram dívida de mais de R$ 1 milhão.  (Matéria do tribunadebarras.com publicada em 17/02/2013).


Barras (PI) - 17/02/2013 - Na manha deste Sábado (16), o prefeito de Barras Edilson Sérvulo, acompanhado do Secretario Municipal de Saúde Antonio Carlos e do Diretor do Hospital Municipal Leônidas Melo, médico Roldão; receberam o Secretario de Saúde do Governo do Estado do Piauí, Ernani Maia, que chegou a Barras acompanhado do ex-reitor da Universidade Federal do Piauí, médico Pedro Leopoldino e de técnicos em gestão do governo.
O novo gestor do Hospital Municipal de Barras - única casa de saúde do Município de 45 mil habitantes -,  com provas documentais, mostrou que as administrações do ex-prefeitos Manim Rego (7 anos) e Francisco Marques (2 anos) deixaram uma dívida de mais de um milhão de Reais em nome do Hospital Leônidas Melo.  Apenas uma ambulância funcionando e  com a maioria  dos profissionais de férias ou afastados do trabalho e com seus salários em atraso. Além disso neste período de 9 anos das duas administrações municipais todos os aparelhos de ar-condicionado e ventiladores dos apartamentos e enfermarias foram roubados.
O Secretario de Saúde do Esatdo prometeu enviar uma equipe de auditores já nesta Segunda-feira (18) para fazerem um diagnostico da real situação do Hospital Leônidas Melo. O prefeito Edílson Sérvolo solicitou ao secretário de Estado, uma nova ambulância e ajuda na compra de medicamentos e mais aparelhos que permitam o trabalho cirúrgico e o perfeito atendimento com urgência em Barras.
Edilson Sérvolo foi convidado pelo secretario de Estado Ernani Maia, a pedido do Governador Wilson Martins, para uma audiência na próxima semana em Teresina onde na oportunidade irão discutir a gestão administrativa da referida casa de saúde da Terra dos Governadores.

Reações:
 
Top