Cesarino Oliveira, presidente da Federação
 de Futebol do Piauí - FFP
A CBF - Confederação Brasileira de Futebol, vai oferecer um salário mensal aos presidentes das 27 federações estaduais - os mesmos 27 que votam nas eleições para presidente da entidade e aprovam as prestações de contas nas assembleias da mentora do futebol brasileiro. O mimo será de cerca R$ 15 mil mensais.
O presidente da entidade, José Maria Marin, confirmou em Viña del Mar, no Chile, onde participa de eventos da Conmebol, que vai sim pagar mensalmente aos presidentes das federações estaduais.
- Acho perfeitamente normal, é uma verba de representação. Os presidentes de federações têm despesas, têm viagens. Acho normal. Sobre o valor, prefiro que os presidentes (de federações) respondam a vocês.
Delfim de Pádua Peixoto, presidente da Federação Catarinense de Futebol e futuro vice-presidente da CBF, falou sobre o assunto.
- Eu defendo, porque não é ilegal nem imoral. Algumas federações têm muita dificuldade, e para os presidentes que trabalham, é justo que se pague essa ajuda de custo - declarou o presidente da Federação de Santa Catarina.

Cesarino Oliveira, presidente da FFP - Federação de Futebol do Piauí, que diga-se de passagem faz um bom trabalho, será contemplado com o gordo salário pago pela CBF. Seria também de bom alvitre que a mentora do futebol brasileiro aumentasse a cota mensal destinada as suas filiadas, para que desenvolvam melhor trabalho nos seus campeonatos profissionais e amadores, em especial as federações das regiões Norte e Nordeste.

(*)  Com informações do Bastidores F.C.
Reações:
 
Top