Escritor Valdemir Miranda, um dos mais prestigiados nomes da inteligência do norte do Piauí.
O professor, historiador e escritor Valdemir Miranda de Castro, natural de Esperantina/PI, lançará livro sobre as famílias Castelo Branco e Carvalho de Almeida, que inicialmente ocuparam o Vale do Rio Longá. No formato 20X26 [A4], o novo trabalho literário do escritor esperantinense possui 536 páginas.
Vale ressaltar que o livro “Enlaces de Família”, é um trabalho histórico genealógico biográfico, que trata de como se deu a ocupação de um dos Pólos de Colonização do Piauí – o Vale do Longá. É a história do “enredamento trissecular dos nomes e do sangue dos velhos trocos ancestrais que desde os primórdios do século XVIII dão inicio á ocupação colonial portuguesa no norte do Piauí”.
Valdemir Miranda, ”dedicou mais de duas décadas de sua juventude, seu esforço, seu trabalho e seus recursos para presentear a grande comunidade do norte do Piauí, e especial dos municípios de Barras, Batalha, Esperantina e Piracuruca, com este precioso e notável livro”.
O livro apresenta o enlace entre os Castelo Branco e os Carvalho de Almeida, com diversas outras famílias, formando uma teia genealógica, possibilitando compreender as relações familiares entre Leonardo da Senhora das Dores Castelo Branco, com os Padres Miguel de Carvalho e Tomé de Carvalho e Silva, Bernardo de Carvalho e Aguiar, senhor de Bitorocara, e com os irmão Manoel e Antonio Carvalho de Almeida, bem como os primeiros entrelaçamentos dos ocupantes iniciais do Vale do Longá com as mulheres da família Castelo Branco, que possuem com descendentes por enlaces de casamentos as famílias: Miranda, Castro, Lustosa, Rego, Borges, Carvalho, Quaresma, Fernandes, Ferreira, Barros.
No intuito de sugerir possibilidade de aprofundamento do tema a outros pesquisadores e, ao mesmo tempo, dar visibilidade a parcela das inúmeras informações conseguidas em sua longa e extensa investigação histórica genealógica, o autor elaborou e acrescentou ao livros vários apêndices desdobrando alguns dos enlaces das famílias estudadas com outros velhos trocos locais: Bustamante de Sá Meneses, Coelho de Resende, Dias da Silva, Dias da Silva de Parnaíba, Gomes Rebelo, Lopes Castelo Branco, Lopes Duarte, Machado de Batalha, Miranda de Barras, Miranda de Campo Maior, Miranda de Oeiras/Parnaíba, Monte, Moreira de Carvalho, Pinto Leite, Quaresma de Batalha, Queirós, Rego do Peixe, Rodrigues de Carvalho, Sampaio de Carvalho, Sampaio Pereira, Silva/Campos e os Soriano de Carvalho.
Para que serve os estudos dessa natureza, para além de nosso deleite pessoal e da satisfação de uma certa curiosidade histórica? A Dra. Teresinha de Jesus Mesquita Queirós, apresentadora do trabalho, é quem nos dá a resposta: – Seguramente para trazer à tona o que o tempo tornou opaco, invisível, completamente desconhecido e olvidado, para dar densidade e concretude ao nosso próprio tempo, para realçar o comum de nossa história face a dos demais sujeitos de um lugar, para ligar nossas experiências, nossos nomes, o sangue comum que corre em nossa veias.
(*) Fonte: Jornalesp.com
Reações:
 
Top